Arquivo do autor:Renato Lima

Lógica no Caos

Michelangelo,_Giudizio_Universale_02

Quero que saiba que lamento todas as lágrimas que te fiz chorar, todas as lágrimas que chorei por você – mas lamento ainda mais todas as decisões que tomei por medo das lágrimas. (Pedro Chagas Freitas)

Existe uma lógica no caos. Não fui eu quem inventou isso. Bauman e Eco já falaram sobre uma possível ordem no meio da desordem, e nada tem a ver com borboletas e furacões.

O que importa é que o caos é aquilo que vem depois. Depois da guerra, do tsunami, de uma grande catástrofe…. enfim, depois do pior, vem o caos (leia-se como superlativo de pior).

Em outras palavras, o caos é o que sobra. Uma desorganização complexa que chega a atingir a onipotência, quando não a onipresença. Sim. O Caos devora você por dentro como um cupinzeiro, faz. Por fora uma estrutura bem definida, aparentemente resistente. Mas por dentro, um tecido fragmentado, perfurado, carcomido.  O caos é isso: o extremo da vulnerabilidade.

E onde está a lógica em tudo isso? A lógica está em se render. Aceitar o fato de que o passado é apenas história. O presente já não existe. E o futuro é o zero absoluto. Somente o caos consegue fazer isso. Consegue zerar. É como se o caos fosse uma grande gestante que devora você com tudo dentro, mastiga suas expectativas, engole seus planos, conceitos e prioridades.  Em troca, dará a luz a um novo você. Te jogará no mundo nu, não de roupas, mas de perspectivas.

Assim, a lógica do caos está em se ter à frente novas possibilidades para fazer novas escolhas. Desta vez sem medo.

O mesmo caos que destrói, também reconstrói.

Entre, aberta!

sueno-de-una-tarde-dominical-en-la-alameda-1947

A porta está aberta. E assim ela ficará.

A porta aberta é um convite, uma possibilidade e um risco….

É o risco da exposição e da perda do controle. Uma vez aberta, as chaves perdem o sentido.

É também uma possibilidade da despedida. Para que tudo o que deva ir, vá. Livremente, sem rodeios saia por onde entrou. Quando quiser.

Mas é, também, um convite. Para o que está fora possa entrar, ou voltar. Sem precisar bater, sem precisar esperar. Coisa de um passo.

Abrir aporta exige uma dose de coragem, duas sessões de terapia e uma pitada de rendição. Não se sabe o que ou quem vai passar de um lado para o outro, quem sai, quem entra…. Mas tem-se a certeza de que nada e ninguém ficará preso em um dos lados. É o caos, momentâneo e necessário!

Camisa de Força

mls0153

Há momentos que não se consegue falar o que se pensa e nem o que se sente. Por dentro, as palavras sobem e descem dentro como em uma montanha-russa sem trilhos e saem pelos dedos.

O medo de morrer engasgado com as palavras que não conseguiu dizer deixa de ser um clichê quando a garganta aperta.

Há uma contenção cruel que retém os mais sinceros impulsos. Assim como com os loucos, torturam a liberdade de expressar a loucura. Tolhem os desejos. Mumificam as expressões.

Qual o sentido em ser mumificado? Qual a razão para não gritar o que se deseja? É justamente essa a camisa de força, uma razão que aprisiona, aflige. Um algoz que desce o machado sobre o coração silenciando qualquer pulsar honesto e verdadeiro.

Amarram-se as mãos para trás, tirando toda possibilidade de toque, de tato. A distância já não é mais uma opção enquanto um abraço torna-se literalmente impossível.

A alma se debate dentro de um corpo já imobilizado. Anestesiado pela pressão que vem de todos os lados.

Livre são os loucos que dizem o que pensam e sentem o que dizem. Sorte dos loucos que podem estender os braços e tocar outro coração. Azar dos racionais que estão presos sem ter cometido crime. São reféns sem saber tiveram sua essência sequestrada.

Entreaberta

514a27fde791ef2b990e513d681a8a87

Sabe quando você empurra a porta com tanta força para fechá-la que ela simplesmente bate e se volta contra você, como se recusasse a ficar fechada?

Rejeitada pela maçaneta, cabe aos pobres batentes absorver a violência estampada em força, enquanto as dobradiças em um esforço intenso desafiam a física e deixam a porta entreaberta….. Não esta fechada. Não está aberta. Apenas uma fresta separa e ao mesmo tempo mantém a ligação entre o lado de lá e o lado de cá.

Por essa fresta, uma realidade distorcida confunde o contato. Luz e sombras se projetam de um lado por outro revelando parcialmente o que poderia estar ocorrendo… Um desenho disforme, carregado de sugestões, espremido naquele pequeno vão cria um caleidoscópio de presságios.

Pelo mesmo vão é possível ouvir sons incompletos. Ruídos inconstantes comunicam possibilidades de dúvida e confusão. Apenas eco de vozes já não tão claras. Sílabas que escapam pela fresta e chegam perdidas ao outro lado.

Nem fechada, nem aberta. A porta está entreaberta. Imóvel. Traduzindo o mais alto nível de incompletude. De indefinição. De reticências.

O que se vê não é o bastante. O que se houve não é suficiente. Mas há naquela fresta uma chance, remota possibilidade daquela porta de abrir novamente. Ou então, ser surpreendida por um sopro de vento que termine de fechá-la de uma vez.

Stand By

Elephants Salvador Dali

Dia desses uma pessoa me disse “vou colocar você em stand by”. Claro que, no mesmo instante, eu me senti um telefone sem fio. Daqueles que quando a gente não está usando coloca na base e acende a luz de “stand by”. Aquela luz piscou na minha mente como uma frase em neon, daquelas de vitrine de loja americana.

É engraçada essa expressão. Teria ficado irritado ou deprimido se não tivesse parado pra pensar. E quando pensei achei graça. Porque a vida é algo engraçado. Rir das desgraças é engraçado (mesmo que não pareça. e quase sempre não parece). Principalmente quando o mundo grita na sua cara que você está em stand by.

Lá estava o telefone, quer dizer eu, em stand by. Tá, na prática, a gente coloca o telefone nessa função quando não estamos usando. Isso mesmo, ele fica lá em espera….

Esperar o quê? De quem? Até quando?

Se eu fosse um telefone a resposta seria, até tocar. Até que alguém resolvesse discar meu número, me chamar, então eu começaria a gritar ininterruptamente até que alguém resolvesse me atender e, então, pronto! Sairia de Stand by.

Enquanto isso não acontece, lá está o telefone, recolhido em sua insignificância. Parado, esquecido. Ou melhor, esperando. Um gerúndio silencioso, mórbido e tedioso.

Então, quando iria definitivamente achar que aquela expressão seria um ponto final na minha vida, descubro que era apenas uma vírgula. Nem toda luz no fim do túnel é o trem vindo em sua direção, no meu caso era uma luz  verde de “Bateria Carregada”.

Sim, ficar em stand by é o momento de recarregar a bateria. O telefone está lá, quieto, parado, mas dentro dele algo está acontecendo. Ficar em stand by pode não ser legal, mas necessário, afinal, perder a ligação da sua vida por falta de bateria seria desastroso.

 

O maior dos medos

guernica3

O maior medo de quem ama alguém é o de não ser correspondido. A possibilidade de todo o investimento não ter retorno consome o amante que busca somente a recíproca. Tamanho é o medo que é capaz de mudar a transitividade do verbo amar…. Apenas ama-se, de maneira intransitiva. Assim, cria-se uma proteção ao amor, ao amante e ao amado. No entanto, a cada aproximação da realidade aumenta-se o medo do amor não ser recebido, e com isso, não ser concretizado. O medo, então, devora a perspectiva, o futuro e, conseqüentemente o presente. O maior medo de quem ama e não é correspondido é o medo desse amor cair no vazio.

O maior medo de quem é amado é a possibilidade de deixar de sê-lo. Na busca do contrário, investe-se ainda mais nesse amor com o objetivo de afastar as chances da perda. Fortalecem-se então os vínculos, recriam-se as memórias, tudo para afastar o medo da perda do amor recebido. O medo de deixar de ser amado é angustiante. Desolador. A perda do amor do outro equivale à perda da gravidade, os pés deslocam-se do chão. Perde-se o contato com a realidade. Realidade que foi construída no amor recebido. O maior medo de quem é amado é o risco, real e também imaginário, de simplesmente de deixar de existir para o outro.

Mas o maior de todos os medos de quem ama é a possibilidade que vem de dentro. É o único medo que não depende ou envolve o outro. O maior dos medos é o medo de, simplesmente deixar de amar. Chega a ser surreal, porém não impossível, deixar de amar o objeto amado, cuidadosamente escolhido, conscientemente cultivado.  Medo que desafia a vulnerabilidade humana.  Deixar de amar quem se escolheu para amar é um medo tão aterrorizador que não nos damos conta de sua ameaça.  Optamos por suprimir, ocultar e desconsiderar, tamanha é a dor de aceitar sua possibilidade.

Em algum lugar, bem escondido, sabemos desse medo. Por isso, tratamos o amor como um amuleto da sorte. Aquele que seguramos firmes com as duas mãos e não o soltamos simplesmente pelo fato de que acreditamos que o sentimento nos pertence.  Agarrado a esse amuleto, enfrentamos o tempo, a distância, as mágoas, inconstâncias e incertezas.

O maior de todos os medos é o risco da possibilidade de que o amor sentido, aquele amor intransitivo, vire uma lembrança, transforme-se em uma memória, uma história contada. Uma história na qual você não é mais o protagonista, mas apenas um espectador distante.

Sobre-viver

A Última CeiaSomos pessoas. Apenas pessoas. Complexas pessoas. Pessoas tentando se adaptar. Adaptar-se para viver. Essa última parte a natureza nos ensinou bem. Leões e cordeiros também tentam viver, mesmo que para isso, o leão precise abater o cordeiro. Não há leões maus e cordeiros bons, não há bandidos e nem mocinhos. Não na natureza, e nem entre os homens. A segunda parte dessa frase é meu desejo pessoal de compreender as pessoas.

Assim com os animais, também são as pessoas. Mais complexas, porém, e, por isso mesmo o adaptar-se fica um tanto complicado. Quando se fala de pessoas, fala-se de um adaptar-se psíquico. Viver significa manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranqüilo?  Talvez sim, talvez não. Viver significa dar sentido, ainda que seja um sentido falso, mascarado, ainda que seja um sentido inconsciente, momentâneo. É necessário. Se faz preciso para não se perder no limbo das emoções.

Eu disse que era complicado. E fica ainda mais à medida em que fazemos escolhas, que tomamos decisões. De igual forma acontece quando decidimos não escolher, ou não fazer nada.

Redundância à parte é preciso abater o cordeiro. Caso contrário morre-se de fome. Assim inicia-se a caçada desesperada por preenchedores de vazios, por substitutos secundários, por homeopatias, placebos e fantasias que possam se transformar em sentido.

Sim, ainda assim, não há pessoas boas e más. É o que eu acredito. É no que eu quero acreditar. Somos pessoas, tentando simplesmente não surtar. Não explodir. Não implodir. Somos complexas pessoas que podem fazer o mal. Podem ferir a si mesmas e também ferir aos outros. Podemos machucar. Podemos fazer escolhas erradas. Podemos desesperadamente nos lançar na correnteza de um rio sem saber nadar. Podemos atear fogo em gravetos e provocar incêndios.

A complexidade se dá durante a busca, aquela desesperada, pelo sentido. Acabamos fazemos coisas que não tem sentido.  Fazemos escolhas sem saber a razão. Ferimos sem querer. Erramos. E seguimos querendo nos adaptar. Querendo não surtar.

Na natureza, sobrevive não o mais forte, ou o mais bonito, nem mesmo o mais inteligente. Sobrevive o que melhor se adapta. Então isso explica muita coisa sobre as pessoas, é preciso lançar mão de futuros arrependimentos, é preciso fazer escolhas erradas, é preciso machucar, porque é preciso sobreviver.

Somos pessoas. Apenas pessoas. Tentando não ser abatida pelo leão da dor, do sofrimento. Correndo para não ser devoradas pela desesperança. Não pensamos. Apenas corremos. Às vezes não sentimos. simplesmente pelo fato de que estamos correndo ainda mais rápido.

É isso.

Ganamos, Bebe

klimt serpent water

Perdemos as palavras…

Perdemos o carinho…

Perdemos. O tempo.

Perdemos a perspectiva.

Perdemos a consciência.

Perdemos-nos.

A nós mesmos.

Mas ainda temos tempo de recuperar,

A vida nos oferece outra oportunidade.

Troquemos o que perdemos.

Pelo que ganhamos.

Ainda temos, cada um de nós.

Mais coisas belas a viver

Meu amor. Seja feliz!

Escrevo-te por que não me despedi.

Fico com seu amor e sua ternura.

Me cuidaste da sua maneira.

Sempre estarei muito perto.

Quereríamos nos amarrar-nos a força

Seu sangue correu em cada uma das minhas veias

Desde então a vida vale muito mais a pena

Juntos fizemos

Coisas lindas

O melhor é isso e temos que nos ensinarmos

Ainda muitas coisas

Não voltarei a sentir o mesmo

O que tivemos foi de uma intensidade

Que poucos podem compreender

E ainda que já não dormirás junto a mim

Te agradeço minha vida

Porque na minha vida

Sempre terá parte de você

De você
De você

Para tocar um coração…

05_pollock01

Para tocar um coração é preciso silêncio…

Ouvir as batidas que faz desse coração único.

Permitir-se ser guiado pelo seu ritmo.

Então, quando o único som a ser ouvido for o do coração escolhido.

Sincronize o seu coração no mesmo compasso.

//

Para tocar um coração é preciso abrir os olhos…

Enxergar esse coração como realmente o é.

Visualizar sua real forma, tamanho, curvas e cores.

Tudo importa, quando se quer um espaço no coração desejado.

Ao chegar à porta, seja gentil. Bata duas vezes, e espere ser chamado.

//

Para tocar um coração é preciso tato…

Sentir o seu calor é necessário, embora arriscado.

Aproxime-se lentamente, sinta os pelos arrepiarem.

Entre em contato com o coração flertado

Estenda as mãos e abra os braços. Agora ofereça seu melhor abraço.

//

Para tocar um coração é preciso de outro coração.

Que possa encontrar o seu som no meio da multidão.

Que consiga vê-lo mesmos nos dias mais escuros.

Que o alcance, não importando a distância entre eles.

Para tocar um coração, é preciso, tão somente, que haja outro coração.

 

Juntos podíamos tudo.

1331932609_the_obliteration_room_yayoi_kusama_1330718370_obliteration.jpg

Juntos podíamos tudo.
Éramos nosso próprio porto seguro.
Podíamos fazer do futuro o presente.
E nos presentearmos com nós mesmos.

Podíamos ir ao céu sem temer a gravidade.
Cruzar oceanos. Dominar o mundo.
Construir cidades.

Podíamos ser a corte do nosso próprio reino.
Governar nossos desejos.
Incendiar castelos e decapitar dragões.
Levantar muralhas, abrir estradas e voltar pra casa.

Podíamos ser tudo, qualquer coisa e ninguém.

Transformar o plural em singular.

Multiplicar o gerúndio.

Eternizar o segundo.

 

Podíamos curar as feriados que nós mesmos abríamos.
Gritar nossos medos, sem medo de nos assustarmos.
Podíamos brincar, brigar, bradar, beijar. Bocejar.

Podíamos.
Juntos.
Tudo.
Podíamos.

10 de março de 2017